Arquivo da categoria: cena de rua

Encantamento e Resistência no XIII Encontro da Rede Brasileira de Teatro de Rua

Em agosto de 2013, articuladores e articuladores da RBTR se reuniram no segundo encontro presencial daquele ano, cujo anfitrião foi o Grupo Experimental de Teatro de Rua e Floresta Vivarte, de Rio Branco, no Acre. As experiências, incluindo as apresentações da I Mostra Área Viva de Teatro de Rua e de Floresta, se deram no Ramal História Encantada, onde foi construída a sede rural do grupo.

Foram dias intensos de convívio na mata que só puderam ocorrer por conta da organização de todos os articuladores da Rede, como comenta Maria Rita Costa da Silva (Vivarte – Rio Branco/Acre). Além dos articuladores, os indígenas do povo Huni Kuin também marcaram presença neste Encontro.

Entrevistamos ao todo 10 articuladores de distintas regiões do Brasil*. Se o material coletado evidencia a pluralidade de pontos de vistas (que enriquece e aprofunda o debate), aponta também para o encantamento ocasionado pela vivência na mata, e, principalmente, para uma convergência no interesse em seguir na luta. Os ruídos que invadem as falas tentam trazer o colorido do cenário. 

Márcio Silveira (Grupo Manjericão – Porto Alegre/RS) ressalta a importância de o Encontro ter sido realizado novamente no Acre (a primeira experiência aconteceu em novembro de 2009), apontando as especificidades da região e as dificuldades passadas pelos companheiros residentes neste Estado.

Relacionando características da geografia e as particularidades de um fazer artístico, Maria Rita comenta também acerca dos processos de criação do Vivarte e de onde surgiu o termo “teatro de rua e floresta”.

A fala de Chicão Santos (Grupo O Imaginário – Porto Velho/RO) segue esta mesma linha de pensamento, evocando o “tempo amazônico”.

Bruna Salatini e Rodrigo Zaneti (Nativos Terra Rasgada – Sorocaba/SP) nunca tinham ido para o Acre. Eles falaram do “tempo do Acre”, fazendo menção a certas noções indígenas, e da pluralidade de horizontes presentes na RBTR.

Herculano Dias (Tá Na Rua – Rio de Janeiro/RJ) menciona o aspecto contra-hegemônico da realização de um Encontro descentralizado geograficamente e estabeleceu relações entre arte pública e saúde pública, eixo norteador do XV Encontro, de setembro de 2014.

Já Tom Conceição (Salvador/Bahia) problematiza a experiência e aponta certas dificuldades do Encontro, ainda que enfatizando a potência do contato com a cultura indígena. Além disso, comenta a importância de conhecer a realidade do teatro de rua em diversas localidades.

Jéssica Faust (RestaNóis Cia Livre de Teatro – Florianópolis/SC) traz para o debate a experiência política proporcionada pelos encontros da Rede e seus desdobramentos nas diferentes regiões do Brasil.

Ainda sobre a sobre a relevância política da RBTR, Rodrigo e Bruna relatam uma experiência bastante significativa em Sorocaba.

Nesta mesma linha, Rafael de Barros (Exército contra Nada) e Danilo Lagoeiro (Teatro de Garagem), ambos do Movimento dos Artistas de Rua de Londrina (MARL), comentam a influência da RBTR nos movimentos artísticos de Londrina e da perspectiva de fortalecimento do movimento local com a realização na cidade do Encontro seguinte, que aconteceu em março deste ano.

 * Exceto para Maria Rita, as falas dos articuladores foram criadas a partir de duas questões iniciais: “Como você avalia a experiência do Encontro na floresta?” e “Em que sentido a sua participação na Rede contribui para a atuação em sua cidade?”.

 Gyorgy Laszlo e Daniela Landin

Anúncios

O Jaraguá é Guarani – “sem terra não há cultura!”

No dia 25 de Julho de 2014, a entrada do Tribunal Regional Federal, na Avenida Paulista, foi tomada pelo povo guarani-mbya da aldeia Tekoa Pyau, localizada no Jaraguá, na cidade de São Paulo.

IMG_2164

Mais uma vez a “justiça dos brancos” – como escrevem no manifesto – se mostrou omissa na garantia dos direitos pela terra indígena. Com placas e cartazes de “Assina Cardozo” (em referência ao Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo que ainda não assinou a demarcação da Terra Indígena Jaraguá), “Bandeirantes de Ontem Ruralistas de Hoje!” e outras palavras de ordem, o povo guarani e seus parentes fizeram uma manifestação com cantos, danças e discursos.

IMG_2158  IMG_2203 IMG_2219 IMG_2221 IMG_2239

Mais fotos aqui.

Mais informações sobre a Campanha Guarani: http://campanhaguaranisp.yvyrupa.org.br/

Todo apoio à resistência guarani!

Gyorgy Laszlo

10º Encontro de Articuladores da Rede Brasileira de Teatro de Rua a partir de algumas vozes

Prólogo

A Rede Brasileira de Teatro de Rua é um coletivo sem hierarquia, pautado pela horizontalidade em suas decisões e discussões, e composto por grupos de teatro de rua de diversos estados do país. Importante lembrar que a RBTR não é constituída por representantes, mas por articuladores. Entre os princípios centrais da Rede, está a luta por políticas públicas para a cultura, mais especificamente para o teatro de rua e popular, em que pese a oposição frontal a leis de incentivo fiscal. São organizados dois encontros por ano. Em 2012, os articuladores se reuniram em João Pessoa, Paraíba, no mês de setembro, e na cidade de Santos, litoral do Estado de São Paulo, em janeiro. Estivemos presentes neste último, o 10º Encontro, que ocorreu em paralelo à Mostra de Teatro Olho da Rua, significativa ação da Trupe Olho da Rua .

Método e Ponto de vista

Para composição deste registro, ouvimos oito articuladores da RBTR provenientes de diferentes estados e que se dispuseram a responder a duas questões disparadoras para a construção das falas: “Qual a sua percepção no que se refere à Rede Brasileira de Teatro de Rua?” e “Como você entende a importância dos Encontros de Articuladores da Rede?”. Responderam a elas: Alessandra Carvalho (Povo da Rua/RS), Dani Mirini (Vivarte de Teatro de Rua e Floresta/AC), Diogo Dias e Dagmar Bedê (Cia Circunstância/MG), Lino Roca (Centro Experimental de Teatro e Arte da Baixada Fluminense/RJ), Rogério Costa (Núcleo Ás de Paus/PR), Romualdo Freitas (Tropa do Balaco Baco/PE), Selma Bustamante (Baião de Dois/AM) e Toni Edson (SE).

A idéia parte de uma tentativa de apresentar o 10º Encontro da RBTR por meio da voz de alguns articuladores que atuam fora do Estado de São Paulo, uma vez que o encontro ocorreu em Santos e que grande parte dos participantes era paulista, numa preocupação em diversificar o registro e dar ênfase a pontos de vista de sujeitos inseridos em outros contextos do fazer teatral de rua. Os materiais de áudio disponibilizados neste texto sofreram nossa edição em que buscamos recortar o que nos pareceu próprio de cada discurso. Não buscamos desenhar um panorama que dê conta de uma totalidade, não só porque não conseguimos (infelizmente) ouvir um número expressivo de articuladores de todos os estados, mas sobretudo porque seria inevitavelmente falha uma iniciativa que se voltasse a abarcar, em tão pouco tempo, toda uma pluralidade de visões e modos de pensar presentes na RBTR. Por outro lado, é preciso lembrar que existem pontos de contato no entendimento de boa parte dos articuladores.

Pontos de contato

Na interlocução com os articuladores ouvidos, identificamos algumas idéias recorrentes. Uma delas diz respeito à percepção de que a articulação, enquanto uma das propostas da RBTR, contribui não só com o fortalecimento dos grupos e movimentos locais mas também com uma mobilização em âmbito nacional.

A horizontalidade, outra diretriz da Rede, foi apontada como aspecto determinante na construção das relações e que se presentifica tanto no contato virtual quanto nos encontros presenciais.

Os articuladores tenderam a destacar a importância de os Encontros propiciarem a discussão em torno do fazer teatral e das diferentes possibilidades de pesquisa estética, além de serem motor para a mobilização política.

Chama atenção ainda a disposição em conhecer as lutas do outro, reconhecendo-se nelas, de modo a ampliar o próprio campo de ação em um contexto diferente.

As vozes

Lino Rocca, do Centro Experimental de Teatro e Arte da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, aponta para a importância do conflito e da contradição em um coletivo como a RBTR.

Alessandra Carvalho, do grupo Povo da Rua, de Porto Alegre (RS), destaca o caráter de fraternidade da Rede e o estímulo ao fomento de ações na própria cidade. Além disso, afirma que a RBTR reforça a ação política do teatro de rua e a consciência da arte pública.

Rogério Costa, do Núcleo Ás de Paus, de Londrina (PR), fala sobre o papel das discussões entre estética e política no próprio trabalho dos grupos, além da função social da RBTR em relação a casos como o de Pinheirinho.

Romualdo Freitas, do grupo Tropa do Balaco Baco, de Arcoverde (PE), relaciona a administração sem gestão definida e horizontal da RBTR aos princípios libertários anarquistas.

Selma Bustamante, do grupo Baião de Dois, de Manaus (AM), menciona a sua experiência com os articuladores no sentido da passagem do encontro virtual para o presencial e problematiza a questão da horizontalidade.

Dani Mirini, do grupo Vivarte de Teatro de Rua e Floresta, de Rio Branco (AC), enfatiza o processo de fortalecimento político e artístico tanto dos grupos quanto dos sujeitos e faz um cruzamento entre os casos de violência que ocorrem no sudeste (como Pinheirinho) e no norte (a devastação das florestas é um exemplo).

Para Diogo Dias, a capacidade de mobilização da rede é significativa, uma vez que as articulações geram conseqüências políticas efetivas. Dagmar Bedê atenta para o “processo de rede” e para a reunião horizontal de pessoas. Eles são da Cia Circunstância, de Belo Horizonte (MG).

Toni Edson, de Aracaju (SE), comenta o perfil de “compartilhamento teórico” dos Encontros da RBTR em relação à distribuição de publicações de grupos e o estímulo para cobrar, no seu estado, melhores condições, como espaços apropriados para o fazer teatral de rua, que, por ser contra-hegemônico, nunca é prioridade.

Daniela Landin e Gyorgy Laszlo

 

Versículo de Rua

Uma voz ordenou que Abraão matasse seu amado filho, Isaac, seu mais precioso bem, em louvor à Divindade. O filósofo cristão Soren Kierkegaard, no livro Temor e Tremor, explicita a tortuosidade desta situação: sob o ponto de vista religioso, o ato poderia ser identificado como um sacrifício, uma prova de amor ao deus; porém, se se olhasse a partir da sociedade, no contexto das relações entre cidadãos, Abraão não seria diferente de um assassino. O impasse, complexo, talvez pudesse ser resumido numa pergunta: o que faríamos caso um ser divino nos mandasse cometer uma ação vil? Para Kierkegaard parece não haver dúvidas: um criminoso deve ser julgado por suas ações, pois só são elas que fazem sentido à luz da comunidade, do mundo material. Como se sabe, Deus não permitiu que Abraão cometesse o assassinato, enviando um anjo que lhe arrancou a arma, poupando-lhe, assim, de uma perda irreparável.

Este mesmo impasse ganha ar de comicidade na história de Ditinho Curadô, peça apresentada na Mostra de Teatro de Rua Lino Rojas pelo grupo Nativos Terra Rasgada, de Sorocaba.

Humilde homem do campo, pai de dois filhos, num determinado dia ouve alguém lhe chamar. Ao perceber que não se trata de uma voz reconhecida, descobre possuir um dom: Ditinho tem a graça de estar em ligação direta com os santos, podendo realizar milagres. Cada uma das fitas da bandeira do Divino Espírito Santo hasteada em sua morada lhe colocaria em contato com um diferente: a vermelha com São José; a azul com São Pedro e a preta com São Benedito. Os santos lhe transmitiriam ensinamentos, que, por sua vez, deveriam ser repassados a quem viesse lhe pedir ajuda – assemelhando-se a uma espécie de callcenter divino.

A comparação parece fazer sentido quando se percebe que o gerenciamento do céu não é tão diferente do daqui: pragmático, burocrático e confuso. São Pedro, por exemplo, zanga-se por uma “chamada teste”, realizada por Ditinho para ter certeza de que a voz celestial que ouvia não era engano; cada santo, outra indicação desta semelhança, responsabiliza-se por um tipo específico de milagre, fazendo com que Ditinho seja transferido de departamento em departamento (com direito a musiquinha de espera!) para ser atendido pelo responsável: a fim de descobrir a cura para a galinha doente da vizinha, por exemplo, ele fala com três santos diferentes.

Estas semelhanças se acentuam à medida que Ditinho recebe os pacientes (e não clientes!) em sua morada: não se vê a realização de milagres, ou anjos que desçam à terra para privá-los de seus sofrimentos; este “dom da cura”, ao que parece, converte-se em arranjos práticos, naquilo que comumente se chama de jeitinho: ao vizinho que perdera o emprego na fábrica, oferece que cuide de sua plantação e que os lucros sejam divididos igualitariamente em 40% para cada (e os outros 20%? – pergunta o compadre. Vai para o santo, ora); à comadre, que mora em área sujeita a inundações, o Curador arranja um puxadinho em seu quintal… O discurso do grupo é explícito: os moradores desta região rural recorrem aos santos por não serem efetivamente representados pelo Estado.

Mas e Mariazinha? Como ajudá-la a ir para a escola quando o transporte público é ineficaz? Posto como inacessível, o Estado ignora as dores e as reivindicações dos pobres, dos necessitados, e só se faz presente quando o interesse de quem detém o poder está em jogo. Para ter sua voz ouvida, Ditinho não apela a São Judas Tadeu, santo das causas impossíveis, nem ele ajudaria. A ligação para o deputado só é atendida por se tratar de ano eleitoral. O político o ajuda com a condição de que o Curador apoie a candidatura de Fernando, mais um dos corruptos que mira a vaga de prefeito. Apoio este aprovado pelos santos.

Na festa que organizam para angariar votos, Ditinho e o Deputado se responsabilizam pelo palanque; com o microfone à mão, dirigem-se ao público com efusivas palavras de apoio ao candidato. Seria mais um comício banal, de conteúdo esvaziado, se uma mulher ali presente não rompesse o círculo e exigisse o microfone. Com ele à mão, gritou sua pobreza e rompeu os sorrisos do público, que até então se divertia com as peripécias de Ditinho. Em seu protesto, ela exigiu respeito pelos moradores de rua e coragem para enfrentar as dificuldades que as circunstâncias nos colocam, explicitando que estamos sempre, invariavelmente, tendo que escolher qual a nossa posição frente ao mundo e aos outros.

Ditinho, por exemplo, escolheu envolver-se com os poderosos, que lhe sugaram os favores e acabaram por deixá-lo sozinho, abandonado pelos amigos, esposa e filhos, que já não o viam mais como um companheiro; outro dos que ali estavam escolheu tomar o microfone, já encerrado o espetáculo, e nos colocar, como outrora a moradora de rua, diante de nossas (in)decisões. O grupo escolheu contar esta história na rua, espaço público de discussão e enfrentamento, ao contrário de Abraão, que, tido como quase divino, rumou às montanhas para realizar o sacrifício – ali, não haveria possibilidade de debate.

* Texto originalmente escrito para a revista do Movimento de Teatro de Rua de São Paulo (MTR-SP) Arte e Resistência na Rua.

Gyorgy Laszlo

“O que é bom para o lixo é bom para a poesia”*

Ampla e extremamente arborizada, matizada por verdes que colorem as gramas, as folhas das árvores, os nossos olhos. Assim se mostra a Praça Rafael Sapienza, localizada na Vila Madalena, bairro da zona oeste da cidade conhecido pelos seus bares de preços altos (isto é, inacessível às classes populares), locais que oferecem serviços “alternativos”, ateliês, pequenos e inúmeros outros espaços culturais e condomínios, onde vivem, em sua maioria, sujeitos de certa classe média alta. Ali, na tarde de um domingo solar, estivemos um pouco com o grande – e vivíssimo! – poeta Manoel de Barros.

Sentado sobre galhos e grossas raízes de árvore expostas, o público se misturava à paisagem da praça, como se estivéssemos todos em um dos poemas do homenageado. Formigas, folhas e terra já eram parte de nós, nosso corpo era um devir-mato. Expectativa em murmúrios de silêncio, desses tão altos “que os passarinhos ouvem de longe”, como o de Bernardo. E vozes em canto nos despertam: “hoje eu atingi o reino das imagens” – verso marcante da principal canção de Ruas de Barros, do paulistano Grupo Chão.

Bernardo, espécie de ermitão, é uma das entidades poéticas da obra de Manoel de Barros, assim como Andaleço, “desnome” deste andarilho – Homem do Saco para as crianças da estrada. Essas figuras tornam-se personagens do espetáculo, cuja proposta é a apresentação da vida e da obra do poeta mato-grossense, natural de Cuiabá (MT) e crescido em Corumbá (MS), a “capital do Pantanal”. Dividida em portos, em referência a momentos da vida do artista, a peça assume um caráter episódico e também épico, por conta da anunciação de cada uma dessas passagens que “interrompe”, algumas vezes, o diálogo de uma cena, como capítulos explicitados de uma obra.

A apropriação cênica da poesia de Manoel de Barros aponta para um trabalho de tratamento criativo dos versos em diferentes sentidos: eles surgem na forma de música, em falas de diálogos – expressando o exercício de diferentes possibilidades para o uso da palavra – e também em imagens. Neste último caso, parece residir a dimensão estética mais potente do espetáculo.

A elaboração dos delicados figurinos, em tons de bege e branco, e do cenário simples e funcional, habilmente marcado por um varal preso entre as árvores e que possibilita a abertura de uma “cortina” em momentos significativos, destacam-se nesta proposta visual. O cuidado com essa dimensão da obra também transparece na escolha dos acessórios e dos objetos de cena, que caracterizam as personagens e contribuem na criação imagética. Um longo pedaço de tecido azul se transforma em um rio, por exemplo. Assim, o uso dos tons claros em quase todas as peças do figurino e do cenário se mostra ainda mais interessante ao estimular o trabalho com outras cores, que surgem ressaltadas e com sentidos maximizados.

Uma das referências da pesquisa estética é o artista plástico brasileiro Arthur Bispo do Rosário. Este sergipano que passou grande parte de sua vida em um hospital psiquiátrico no Rio de Janeiro criou uma extensa série de obras sob o signo da reutilização ou da ressignificação de objetos já inutilizados, jogados fora, tidos como lixo – “coisas apropriadas ao abandono”. A partir do que é desprezível, imprestável, sem serventia no contexto da lógica da sociedade de consumo, Bispo do Rosário, assim como Manoel de Barros, faz poesia. A referência é de extrema felicidade no que se refere aos aspectos éticos e estéticos de ambos os artistas. E poderia estar mais presente no espetáculo. A caracterização de Andaleço é exemplar da influência, com suas tiras de tecidos misturados por todo o corpo, que chega a evocar o Manto da Apresentação, de Rosário, mas parece ser caso isolado, ao menos no que se refere à plasticidade do trabalho. Quanto ao discurso, há uma certa tendência no espetáculo em considerar a loucura como um tipo de saber…

Essa atmosfera talvez seja eco da tentativa de se irmanar à busca do poeta pelo “criançamento das palavras”, como caminho para a criação. O exercício se evidencia na postura e na composição dos gestos dos atores que, em alguns momentos, flertam com um tom pueril. A interpretação é descontraída, despojada, sem virtuosismos – tem leveza e facilita a relação com público. Por outro lado, o modo como os atores compartilham os versos às vezes assume um tom recitativo, como se não estivessem experienciando o que dizem, como se a poesia morasse nas imagens criadas no exterior e no entorno dos artistas do grupo. De qualquer forma, a poesia agora também pode habitar a quem, passeando pela Praça Rafael Sapienza naquela tarde de domingo, encontrou-se com aquele que procurou por si mesmo a vida inteira e não se achou – pelo o que foi salvo (como versa o mato-grossense no poema Autorretrato falado).

*Esta e as outras citações desta leitura crítica foram retiradas da seguinte referência bibliográfica: BARROS, Manoel de. Poesia completa. São Paulo: Leya, 2010.

[Texto originalmente escrito para a revista do Movimento de Teatro de Rua de São Paulo (MTR-SP) Arte e Resistência na Rua, em edição relativa à 6ª Mostra de Teatro de Rua Lino Rojas.]

Daniela Landin

A gente vive teatro p’ra libertar*

Um terreiro organizado com os indícios das oferendas às entidades. De um lado, a bandeira do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), do outro, a do estado de Pernambuco. Ao centro, em destaque, uma estrutura, ornamentada de máscaras, homenageava o Teatro Popular de Rua e o próprio grupo, o TEAMU & Companhia; na frente, colada ao público, a bandeira do Brasil. Passada a hora programada para o início do espetáculo, parte do aglomerado de pessoas que esperavam pela apresentação passa a se manifestar diante do atraso. Alguma ansiedade se instaura. Finalmente, um pequeno cortejo formado por três homens caracterizados de brincantes, caras pintadas, começa a soar na Praça do Patriarca, Centro de São Paulo.

Chegam festeiros, belos em sua singeleza, presença plena e sincera de artistas populares que buscam o encontro. Um deles, dançando com uma burrinha feita de madeira e tecido, compõe uma imagem docemente divertida. Já no espaço de representação, o terreiro político, iniciam a conversa com o público e a apresentação, em tom de ensaio aberto. Nesse momento da escrita, cedo à tentação de procurar o significado da palavra “ensaio” no dicionário e descubro, entre outras possibilidades, “experiência”, “estudo”, “tentativa”, “treino”. O espetáculo dos pernambucanos do TEAMU traz a oportunidade de pensarmos o trabalho teatral, sobretudo, o popular, de rua, sob a égide desses sentidos.

Antes de qualquer coisa, já esclarecem o mal entendido – é a primeira cena. Explicam que não houve atraso: o espetáculo começou pontualmente às 18 horas, como estava previsto, quando iniciaram o processo de maquiagem e caracterização, na rua mesmo, mas longe dos olhos do público, que esperava sentado, confortavelmente, no lugar convencionado, em frente ao espaço onde o cenário havia sido montado. Um dos atores chega a perguntar a um produtor da Mostra se foi isso mesmo que aconteceu, ele confirma. “Vamos, então, re-começar”, anuncia o brincante.

Inspirados pela fábula do Bumba-Meu-Boi pernambucano (desenvolvido pelo mestre Antonio Pereira no início do século XX), os artistas do Êta vida reinventam a história popular para discutir temas como moradia, trabalho e o próprio teatro de rua na perspectiva do oprimido, aquele que está à margem dos bens materiais e simbólicos. Um dos bordões dos artistas é “não há evolução social sem revolução cultural”. No espetáculo, Mateus – “não o da Bíblia, o do Boi” – foge para São Paulo. Catirina, grávida, vai atrás dele e é rejeitada; é, então, obrigada a buscar algum lugar, mesmo que precário, para morar na capital paulista. Uma trajetória como a de muitos nordestinos que migram de seus estados de origem na busca por uma vida melhor, uma história como muitas que povoam e caracterizam a própria história da cidade de São Paulo.

A narrativa é pontuada por inúmeras rupturas e descontinuidades, como brincadeiras com vinhetas relativas a comerciais televisivos, sátiras de todo tipo – “São Paulo é conservador, né? Votou no Serra…” –, comentários bem humorados sobre pessoas que assistiam à apresentação, sendo que, muitas vezes, as quebras ocorrem por “erros” dos próprios artistas. Sem qualquer tentativa de esconder possíveis “falhas”, confusões no texto ou na música, comunicam a imperfeição e o inacabamento como traços de um trabalho muito amparado na relação que o grupo estabelece com o público.

As canções executadas ao vivo e cantadas no microfone refletem de forma marcante o discurso e os posicionamentos dos atores. Canções a respeito do fazer artístico no espaço público, onde todos compõem e participam do espetáculo (“vocês acham que estão assistindo, mas estão também atuando”), do teatro popular e seus significados (“Eles fizeram teatro pra dominar/A gente faz teatro pra libertar/Eles usaram o teatro pra dominar/A gente vive o teatro pra libertar”) e que prestam homenagem aos artistas de rua, mas principalmente ao Movimento de Teatro Popular de Pernambuco. Com isso, os brincantes demonstram a percepção de quem sabe de onde fala e de onde vem: o nome do grupo, TEAMU, refere-se a Mustardinha, bairro da cidade do Recife, onde se localiza a sede desta companhia que existe há quase 30 anos.

A prática dos artistas do TEAMU remete à militância do educador Paulo Freire – a origem pernambucana é outra bonita proximidade –, no envolvimento profundo com os movimentos sociais populares, com os quais devemos aprender e aos quais temos também o direito de ensinar, numa relação político-pedagógica. Os brincantes que passaram pelo centro de São Paulo naquele mês de novembro evocaram um dos mais belos pensamentos freireanos, expresso de forma sucinta em uma das canções: a libertação se realiza, não no sentido de efetuar algo no outro, mas no de libertarmos uns aos outros em comunhão.

* Texto originalmente escrito para a revista do Movimento de Teatro de Rua de São Paulo (MTR-SP) Arte e Resistência na Rua, em edição relativa à 5ª Mostra de Teatro de Rua Lino Rojas.

Daniela Landin

Das margens

Às margens daquela cidade de mulheres e homens fortes, os montes conhecidos por suas favelas – planta sobrevivente da caatinga. Usado estrategicamente pelo exército da então recente república, donde canhões desfilavam tiros devastadores. A escassez da vida, a dureza da morte e a luta: assim são os sertanejos. Piedade, mesmo que falsa, aos seus e violência há quem lhe é diferente: assim são os poderosos. Rememora-se a gente de Canudos por ter guerreado, desesperada e astuciosamente, para viver na terra seca e por ter enfrentado o assustador combate pela vida de peito erguido. Ironicamente, os mesmos soldados passaram a habitar os morros cariocas, de onde guerreariam, agora, contra a fome e as injustiças ofertadas pela civilização, a quem outrora eles serviram.

A palhaçada acontecia na Rua General Câmara, situada no bairro Paquetá, zona central de Santos. Era o Grupo de Circo e Teatro Rosa dos Ventos apresentando seu divertidíssimo Saltimbembe Mambembancos na 3ª Mostra de Teatro Olho da Rua. Ao fundo, alguns prédios em construção. Trata-se do Conjunto Habitacional Vanguarda I, uma conquista da ACC, Associação de Cortiços do Centro. Os prédios, a nova moradia dessas tantas pessoas, é a materialização de uma luta infindável contra o descaso e o abandono dos governantes. A vitória é ainda mais bonita por serem estes mesmos associados os idealizadores e construtores desta edificação.

O cortejo, previsto para começar ao término do espetáculo, teve início quando o Sol já caía pelo horizonte, colorindo de rosa o céu entardecido.  Idealizado pela Cia Antropofágica, a intervenção urbana Karroça Antropofágica inspira-se nos longos percursos traçados pelos tropeiros, transportadores de mercadoria em épocas anteriores às estradas de ferro. Eram também transmissores de notícias, narradores que mantinham as aldeias e vilarejos abastecidos com as histórias de outras margens.

Atravessando o bairro santista, de poucos carros, até então, e uma infinidade de prédios e terrenos abandonados, seguíamos a Karroça com músicas e palavras de ordem. O mote, como não poderia deixar de ser, tendo em vista a região, foi a luta dos pobres pela sobrevivência, luta esta inserida num contexto de classe. Ouvimos e cantamos a sorte dos moradores de Canudos, de Eldorado dos Carajás e de Pinheirinho, sentindo o sangue derramado por estas tantas pessoas pulsar em nossas veias.

A passagem por tais atrocidades, da maneira Antropofágica, nos coloca diante de outra forma de encarar nossa história, rejeitando aquela tida como oficial, que apela para a distância dos “fatos”, mantendo-se fria. Uma história que pulsa independente dos anos decorridos, vivificadora do antes, transformando-o num agora que, por força dos sobreviventes e daqueles que se sensibilizam, não pode metamorfosear-se em passado; as lutas destes tantos mortos, derrotados em vida, mantêm-se inacabadas, à espera de uma resolução. Revisitá-las, assim, é revisitarmo-nos e trazê-las à tona é fazer com que as experiências destes corpos inertes, sem sepultura, sobrevivam em nós, seus herdeiros.

Às margens daquela rodovia, mato. Onde se escondiam os manifestantes que, por sorte, conseguiram escapar dos tiros e bombas disparados pelos soldados da pátria democrática. A manifestação se dava por não haverem terras que lhe fossem de direito, apesar de nelas terem trabalhado e erigido suas vidas. Descobre-se, em contato com os sobreviventes do massacre ocorrido em Eldorado dos Carajás, município do Pará, a mentira da história oficial, que em seu relato afirma ter sido 21 o número de assassinados pela civilização: “Apagaram as luzes para desmontar o que tinham feito, para limparem a via, jogavam corpos e mais corpos em caçambas de caminhão, que tomavam rumos diferentes”*.

Junto à música, algumas personagens interpretadas pelos artistas da companhia relacionavam-se conosco. Assim fiquei sabendo, pelo bêbado de cartola – figura que se destacava não apenas pela altura do ator Rafael Gracioli, mas também por sua figura ébria, provocadora – que o ex-governador paulistano Mario Covas fora enterrado no Cemitério do Paquetá. “Aqui só tem gente importante. Você não. Vai com deus, Mario Covas!”. Para junto do todo-poderoso, o bêbado mandava outros representantes da tirania como Floriano Peixoto, Prudente de Morais, Geraldo Alckmin, Naji Nahas etc – nomes não faltaram para esta “homenagem”.

A história da civilização ocidental, desde os mitos judaico-cristãos até os acontecimentos que, agora, presenciamos, é a violenta história de ruínas edificando ruínas. Massacres, sociedades inteiras dizimadas, devastações. Podemos encarar tantas tiranias e violências de modos diversos: a vilania do Opressor contra o Oprimido, a maldade sem limite daqueles que detêm o poder, a humanidade em seu instinto cego pela crueldade… Talvez o modo que mais incomode seja aquele que nos coloca irmanados com a violência, como o inimigo que nos destrói e a quem almejamos derrubar, sem nos darmos conta de que é nele que buscamos aconchego. Violentados, violentamos. A violência policial, que tanto nos assusta, é também nossa – talvez o lado mais perverso dela. Enquanto passamos indeléveis pela fome nos corpos dos miseráveis, trabalhadores espancam trabalhadores e “homens de bem” sobrevivem à custa de seus subalternos. O educador Paulo Freire dizia que a educação contra a qual ele lutou a vida inteira era aquela que transformava oprimidos em potenciais opressores, educação em vigor, que transforma sujeitos em indivíduos, células incomunicáveis, à parte de seus semelhantes.

Às margens daquele bairro, montes. A manhã nem bem surgia, sonolenta, por trás deles, quando um barulho estridente fez saltar os olhos daqueles que ainda não despertaram para a dureza do dia. Violência, abuso de autoridade, desrespeito, tiros de borracha, bombas, bens roubados, crianças e idosos machucados, mulheres estupradas e cachorros, dezenas deles, mortos em nome da prosperidade da civilização. Cerca de 6000 moradores de Pinheirinho, em São José dos Campos, tiveram seus direitos vilipendiados por um direito mais forte: o direito de quem governa de favorecer quem lhe apoia.

Ao fim do cortejo, nas proximidades do Mercado Municipal de Santos, quando já nos preparávamos para assistir ao Homem Cavalo & Sociedade Anônima da Cia Estável de Teatro, passando por um grupo de senhoras negras para lá de seus 60 anos, ouvi de uma delas, sobre uma reportagem da TV: “Uma mulher enrolada na bandeira do Brasil disse: ‘Eles bateram na gente demais, humilharam a gente demais’. E comecei a chorar. Esta é a realidade da vida”.

De modo que se realmente há uma oposição entre civilização e barbárie, como muitos afirmam, em que aqueles taxam estes de representantes de um estado de liberdade perversa, luta infindável para a satisfação de seus impulsos mais violentos, talvez se faça urgente repensarmos nossa escolha (falo de nós, filhos do capital e do deus criador), tomarmos o caminho inverso desse que, desde tempos imemoriais, seguimos. Sejamos bárbaros.

Às margens daquelas cidades, os montes. Do alto deles, fiscais vieram procurar ao menos dez homens justos – a justeza medida pela subserviência. Eram conhecidos, os moradores, por serem contrários às leis do poderoso. Há uma lei que protege quem de longe chega, mas ali a vida funcionava de outras formas, por outros caminhos, como é comum aos focos de resistência. Erguidas pela força de trabalho de homens brutos e iletrados, Sodoma e Gomorra foram dizimadas num entardecer. Houve apenas um sobrevivente, Ló, que traiu seu povo em nome de deus.

* Brasil de Fato, 15/04/2011.

Gyorgy Laszlo